A negação da metamorfose

Acho que qualquer um ligeiramente interessado em literatura conhece a história do romance mais conhecido do Kafka - um cara é transformado numa barata do dia para a noite e precisa aprender a conviver com isso. Apesar de tanta gente louvar esse livro, de tantos outros autores o citarem - seja diretamente ou não - eu nunca me interessei muito nele. Não era nem cogitação minha lê-lo, foi obrigação da faculdade. Isso, dessa vez, foi algo positivo, pelo menos em relação à expectativas superadas.

A primeira coisa com o que eu me impressionei foi com o tamanho: é curtíssimo, a minha edição não tem 60 páginas. E a linguagem é extremamente simples e direta. Bom, é um dos maiores clássicos da literatura, etc. e tal, estava esperando algo com dificuldade maior...mas realmente, não faria muito sentido contar o ponto de vista de uma barata com língua rebuscada, pois elas não devem ter um cérebro muito grande.

A história inteira se passa apenas em um lugar - eu achava que iria ter viagens a esgotos e coisas do tipo. Mas a gente não sai para nada, e eu fico muito agoniada com esse tipo de enredo. Sério, me dá um pouco de claustrofobia, e viro todas as páginas esperando o momento em que o personagem vai conseguir se livrar, mesmo que acabe se ferrando no final. E, nesse livro, tal momento foi decepcionante. Mas não foi uma decepção em que você classifica o livro com 1 estrela. Foi daquelas que te deixa de olhos arregalados para a página, e que dá vontade de atirar o livro no chão e pisar muitas vezes, para depois gritar COMO ASSIM ISSO ACONTECEU.

Foi algo banal que quase fez meu cérebro deixar de funcionar. Foi tão natural que eu não estava esperando, tão óbvio que me deixou triste. Tão simples que eu não quero aceitar.

Eu posso resumir os meus sentimentos em relação a "A metamorfose" com três letras:

NÃO.
NÃO.
NÃO.


PORRA, KAFKA, POR QUÊ????????

Postagens mais visitadas