A Caminho do Verão

"Garota cheia de problemas passa uma temporada de férias na praia e muda a vida inteira para melhor". Esse é o resumo de A Caminho do Verão em uma frase. Alguém desavisado poderia pensar que essa é uma história típica de sessão da tarde, sem novidade nenhuma e que serve apenas para passar o tempo. Bom, eu diria que essa pessoa está certa até certo ponto - é de fato um enredo clichê, mas com certeza tem algo a mais do que simplesmente aventuras adolescentes em um lugar bonito.

A menina problemática chama-se Auden e tem pouquíssima habilidade social, mas é bem inteligente e está pronta para entrar em uma das melhores universidades dos EUA. Antes disso, porém, ela decide passar o verão com o seu pai, a madrasta e a recém-chegada meia irmã. Não pretendia fazer uma mudança radical na sua vida nem nada, só queria se afastar um pouquinho da mãe exigente e respirar uns ares novos. Claro que a viagem a ofereceu muito mais do que isso - não só contato com gente nova como também com quebras de preconceitos.

Não é exatamente o tipo de leitura que eu costumo escolher; foi o NUPE que conseguiu me convencer em ler pelo menos um livro da Sarah Dessen. Escolhi justamente esse por: 1) ter me identificado um pouco com a personalidade da Auden e 2) porque a história supostamente envolvia bicicletas EU AMO BICICLETAS 

Gostei do livro, a narrativa é tão leve que, apesar do tamanho, dá para ler calmamente em questão de dias; e os personagens principais tem mais de uma camada de personalidade. Eu fiquei encantada com a Maggie, que à primeira vista parece ser só uma garota bobinha por causa das roupas que usa, mas aos poucos vemos que é possível gostar de moda e de esportes ao mesmo tempo (ainda existe aqueles que pensam o contrário...).

Também achei legal é que a protagonista não caminha sempre para frente. Assim como qualquer um, ela tem umas recaídas sem noção e demora um pouquinho a perceber que o mundo não é exatamente o que sempre lhe foi ensinado. Pena que, ao mesmo tempo que isso deixa a história interessante, também entedia facilmente. O jeito que a Auden lida com alguns de seus dilemas é lento, o que deixa o enredo parado por tempos mesmo que os outros personagens estejam cheios de planos para as férias.

Quando chegamos na metade do livro, ainda há gente e lugares para serem apresentados, com pouquíssima coisa sido feita de verdade. É meio que uma história sem um objetivo exato, basicamente o relato dos dias que Auden passa naquele lugar, e essa falta de rumo pode incomodar. Mais: nesse ponto, apesar de comentários e diálogos sobre o assunto, os ciclistas e as bicicletas nem tinham aparecido direito.

Ainda teve o final que, oras, era previsível que ele seria previsível; mas não deixou de ser meio decepcionante. Os rumos seguidos por todo mundo foram apenas satisfatórios; por algum motivo, estava esperando que houvesse algo a mais... e, segundo um monte de resenhas sobre essa obra que eu li, o resto do trabalho de Dessen não é tao diferente assim em questões de essência. Lógico que não sei se é verdade mesmo, mas não me animei a ler outras coisas da autora. Recomendo A Caminho do Verão sem dúvidas, mas é uma sugestão que pode esperar um pouco.

Postagens mais visitadas