Andei assistindo: Doctor Who (2005) - The next Doctor


O Doutor pousa a TARDIS numa véspera de natal aleatoriamente, no século XIX. Mal ele sai da nave e escuta alguém gritar o seu nome, porém descobre que é uma outra versão sua que está sendo chamada. A aparência da pessoa não lhe é familiar, então ele deduz que este é uma próxima regeneração.

Eu fiquei triste ao saber que não era! Jackson é um homem meio simples, mas seu jeito e vestuário me lembravam demais um Doutor! Tanto que o próprio achou por um momento que estivesse mesmo encarando o seu futuro.

O problema desse especial de natal é que ele é tradicional demais, praticamente dispensável. O roteiro principal não empolga nada, somente mais do mesmo. Cybermans são muito chatos. e, apesar de eu ter curtido bastante o Jackson, não dá para acostumar com um companheiro masculino.
Como assim ele tem novecentos e tantos anos e nunca tinha
andado de balão?

Mas o finalzinho valeu a pena. Foi tão legal ver todo mundo agradecendo ao Doutor por ele ter salvado o mundo pela milionésima vez! Foi triste ao mesmo tempo com aquele último diálogo; ainda que existam milhares de pessoas, de todas as épocas e planetas possíveis que admirem muito o senhor do tempo, ele sempre termina as histórias sozinho...

Agora, vem o fim. Por mais que eu ame de paixão o Eccleston, me acostumei tanto com o Tennant! Ele fez um excelente trabalho, e não quero vê-lo partir. Já odeio o Smith.

Postagens mais visitadas